SE FOR RECLAMAR… DÊ SUGESTÕES

IMG_2174

Segue abaixo a segunda lei que Paulo Vieira trata, em seu livro: Poder e Alta Performance, em um capítulo todo voltado para AUTORRESPONSABILIDADE.

São 06 leis para conquista da autorresponsabilidade:

  1. Se for criticar (as pessoas)… cale-se;
  2. Se for reclamar (das circunstâncias)… dê sugestão;
  3. Se for buscar culpados… busque a solução;
  4. Se for se fazer de vítima… faça-se de vencedor;
  5. Se for justificar seus erros… aprenda com eles;
  6. Se for julgar alguém… julgue a atitude da pessoa.

Lei 2: NÃO RECLAMAR DE SITUAÇÕES

“Não saia de vossa boca nenhuma palavra torpe [suja, contaminadora], e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e assim transmita graça aos que ouvem.” Bíblia Sagrada – livro de Efésios 4:29.

Você já deve ter se deparado com um tipo de pessoa que em sua boca sempre é transmitido palavras pesadas: ou falando mal de alguém ou reclamando das situações que a cercam. Reclamando exatamente de tudo o que acontece, qualquer circunstância. Como se tudo estivesse se conspirando contra tudo que ela faz ou o que ela deixa de fazer. Você já deve ter se deparado com pessoas que murmuram o tempo todo, não assumindo a culpa ou trazendo para si a responsabilidade de cuidar/solucionar do que aconteceu. O livro do Paulo Vieira traz exatamente sobre esse assunto na segunda lei sobre autorresponsabilidade. E gostaria de aplicar esse assunto em nossa série sobre liderança.

“A única coisa real que se consegue com reclamação e lamentação é provar que o outro é incapaz e imperfeito, deixando claro que quem reclama é supostamente superior e mais capaz.”

Assumir a responsabilidade é um ato que consequentemente demonstra uma liderança mais efetiva e firme. Onde demonstra também uma humildade e deixa claro para os seus liderados o senso de pertencimento: “estamos todos juntos nessa”. Tendo uma atitude como essa, em sua boca sempre vai apresentar palavras de ânimo, de alegria, de segurança. Sua equipe sentirá segurança na sua mensagem e ao contrário de palavras sujas ou contaminadoras na qual não edificam em nada.

Vamos pensar juntos na seguinte situação:

  • Discurso de um líder:
    • “Atenção equipe, estamos juntos nessa. Em qualquer situação, somos um time. Vamos lutar qualquer batalha, afim de solucionarmos cada ocorrência, independente de qualquer coisa.”
  • Na primeira oportunidade que o líder é confrontado com uma repreensão de um diretor ou de seu superior:
    • “Não sei mais o que fazer. Eles não conseguem alcançar os objetivos propostos. Todos são ruins e sem competência alguma. Agem com lentidão e não se esforçam para entregar mais. Esse erro foi culpa do Fulano, já cansei de dizer a ele para que fosse realizado de uma outra forma essa rotina. Ando muito cansado e preciso de pessoas melhores e mais capazes.”

Conseguimos enxergar nesse case claramente o que muitos líderes fazem quando encontram uma situação ou algo que o faz se deslocar da sua zona de conforto. No livro do Paulo Vieira traz:

“A característica mais forte e perigosa da reclamação é a fuga da autorresponsabilidade, é se eximir dos acontecimentos. É olhar o que acontece consigo e ao seu redor como se não tivesse nenhum poder ou influência. É tirar o foco das coisas erradas e indesejadas de si e colocar nos outros ou nas circunstâncias. É eximir-se da ação. É sentar e observar o “circo pegar fogo”, em vez de concentrar esforços em apagar o incêndio, independentemente de quem o causou.”

Mas, algo extremamente importante, é definirmos então qual a real função de um líder em meio ao caos ou de uma situação que exige a sua ação. Em nenhum momento queremos deixar a mensagem que não deve haver a repreensão. Olhar nos olhos do seu colaborador e o confrontar com a verdade, é fundamental para o sucesso da equipe. Não só para o sucesso, quanto para o desenvolvimento daquele subordinado. Sempre lembrando de focar na solução do problema, para que não haja repetições absurdas. Levando uma mensagem de o que você, líder, espera dele. Aonde você quer que ele chegue e o que você espera que ele traga para a equipe.

“Não reclamar não significa se calar diante de um erro ou mau desempenho de um funcionário, fingir que não viu. É fundamental para o sucesso das seis leis que você posso confrontar as pessoas com a verdade, dizer-lhe suas expectativas e o que de fato elas realizaram, falando muito mais dos fatos e dados do que de sentimentos e percepções.”

Quando focamos exatamente na solução dos problemas, em juntos encontrar um caminho para solucionar aquele caos, as possibilidades vão crescendo e florescendo. Isso, em determinados momentos, levam o problema a ser inferiorizado – diminui o seu impacto e traz crescimento natural a equipe.

“Pessoas vitoriosas não perdem tempo reclamando. Seu precioso tempo é demandado na solução, focando as possibilidades, e não as impossibilidades e consequências destas.”

Até a próxima, com mais uma lei para conquista da AUTORRESPONSABILIDADE.

Fonte: Livro – Poder e Alta Performance de Paulo Vieira.

Rafael Ribeiro – dpzasso@gmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s